Nomes de times estão cada vez mais bizarros

Por Marcelo Laguna
Editor-assistente do Diário de S.Paulo

Convidado pelo amigo Rodrigo Borges, lanço aqui no ESPORTE FINO um desafio aos internautas: será que alguém consegue advinhar de primeira quais times e a que esportes referem-se as equipes abaixo listadas?

Cetaf/Garoto/UVV/PMVV, Univates/Bira, Universo/BRB/Financeira, Vivo, Pitágoras, Unimed/Vinac, Amigão/Andorinha/Unimed, Vivo Sabor/Unimed/Folhamatic, Colchões Castor/FIO/Unimed, Brasil Telecom, Fátima/Medquímica/UCS, Copagril/Faville/Dal Ponte, Diplomata/Muffatão/Cvel, Poker/PEC/Ikinha.

Pois é, internauta, esta verdadeira sopa de letrinhas e siglas vem invadindo, de forma indecente, as páginas esportivas de jornais e sites brasileiros. Nada contra a necessidade de se estampar a marca do patrocinador, que na maioria absoluta das vezes é fundamental para a manutenção de uma equipe. O esporte olímpico no Brasil, ao contrário do futebol, raramente consegue sobreviver sem a ajuda de um mecenas. O problema é que tem time por aí que está abusando e transformando sua camiseta em uma verdadeira página de classificados.

Talvez o caso que mais me incomoda pessoalmente ocorra com as equipes de basquete. Modalidade que já foi o segundo esporte mais popular do Brasil (sim, pode acreditar que isso já ocorreu mesmo!), hoje o basquete sobrevive aos trancos e barrancos, apesar da incompetência de dirigentes e da grave falta de talentos. Mas para quem, como eu, aprendeu a se apaixonar por este esporte nos anos 70, assistindo clássicos inesquecíveis entre Sírio x Francana, Corinthians x Monte Líbano, Palmeiras x Tênis Clube, é triste demais constatar que hoje é necessário colcoar pelo menos uns três nomes de patrocinadores na frente destes clubes.

No recém-iniciado Paulista feminino de basquete, conseguiram a proeza de “batizar” o time de Americana, um dos mais tradicionais do Brasil (e que já foi tetracampeão nacional) simplesmente sem o nome da cidade. Aliás, será que algum marqueteiro imagina que a torcida irá se esgoelar pelo nome de uma determinada marca de produto nas arquibancadas? Só se for aquela famosa torcida “patrocinada”.

Chega de nome de remédio, marca de supermercado ou sigla de faculdade. Quero de volta o prazer de ver apenas nomes de clubes ou cidades ilustrando os grandes times de basquete, vôlei e futsal do Brasil.

Autor convidado

Leia todos os posts de autores convidados

Assine a newsletter do Esporte Fino